O que é ser graduado?

29/06/2011 13:09


            Acho que em todas as Artes Marciais chega um momento em que alguém diz que você é graduado. 

            Certa vez, após um exame, faz quase uns 10 anos, perguntaram para mim o que seria receber o título de “graduado”.

A princípio imaginei qual seria a resposta correta, depois, qual seria a resposta politicamente correta, e, enfim, qual seria minha resposta. A princípio também, não achei que a pergunta fosse importante... E, na verdade, passei um bom tempo pensando na resposta... e se minha resposta seria sincera.

Levei alguns dias para lembrar de várias passagens em que ouvi pelos cantos ou por meio de sermões o que representava um graduado dentro de um Dojo e, lembrei também que gostava desse discurso, uma vez que corroborava com o que sempre ouvi sobre o que seria um espírito marcial...  

Por mais óbvio e utópico que fosse, consegui listar algumas características, mas não fui muito além do corriqueiro, um graduado deveria: ser responsável e compromissado, disciplinado, paciente, estrategista, sensato, compenetrado, respeitador, observador, educado, solidário e exigente, proativo e espelhar o mestre, refletindo apenas suas qualidades para aqueles que estão trilhando o mesmo caminho... Engraçado, lendo agora, isso parece com qualidades de certo alguém que morreu na cruz... Bom, mas não listei “só” essas qualidades, listei ainda outras (por incrível que pareça ainda tinha mais), contudo, no meio desta lista toda, percebi três pontos interessantes, embora não sejam o real foco de toda esta tempestade mental:

            Primeiro: todas as coisas bregas em que pensei, seriam bonitas, se atualmente, não fosse bonito ser feio ou fazer o mal feito. Hoje em dia, ser simplesmente educado é sinônimo de ser idiota. Realmente não sei quando ou como aconteceu essa inversão...

            Segundo: para ser graduado, bastaria ser um bom representante da espécie humana, provido de cérebro e coração.

            Terceiro: é uma pena que agir como um humano seja um ideal, pois é tão ingênuo que pode chegar aos pés da estupidez.

            Mas, enfim, a pergunta era “o que é ser graduado?”

            Sabe, na época eu qualifiquei graduação baseada no que não era ser um graduado, ou, pelo menos, o que eu achava que não era... Eu imaginava que um graduado não usaria sua graduação para humilhar os demais, um graduado não ficaria olhando o relógio durante o treino porque não quer treinar com você, um graduado não faria técnicas de qualquer forma, um graduado não subestimaria seu colega, um graduado respeitaria qualquer graduação independente de ser maior ou menor que a sua, um graduado não se vangloriaria de machucar o colega, um graduado não faria gentilezas ao Dojo esperando algo em troca, um graduado não treinaria somente próximo do exame, um graduado não teria vergonha de dizer que pratica um budo, um graduado não estaria disponível só quando desejasse, um graduado não apenas falaria, mas faria o que tem que ser feito... eu sabia que estas atitudes não são de graduados, posso garantir, porque estas são algumas das atitudes que eu via e me constrangia, e eram as quais me policiaria para não ter.  

            Uma vez me disseram que eu podia ser aluno ou discípulo. Ambos têm capacidade de aprender qualquer coisa, há qualquer momento; a diferença será que o aluno aprenderá e guardará o ensinamento apenas para os dias de treino; já o discípulo, não só aprenderá, como saberá viver o que aprendeu dentro e fora do Dojo. É uma questão de objetivo, de escolha. É também uma questão de amadurecimento e de possibilidade de ouvir e entender. É bem possível que por isto existam graduados e “graduados” em qualquer lugar que seja... Aqueles que são discípulos e aqueles que são alunos, por “n” motivos pessoais ou sociais.         

            No mais, ser graduado também parecia algo não só de oferecer sua lealdade e apoio, mas também parece ser esperar que algo de novo e bom aconteça, que algo de misterioso seja revelado e que este mistério seja um trampolim para uma outra vivência, ainda que já se saiba de muito tempo que só você pode fazer seu próprio mestre, definindo quando e porque avançar.

            Hoje em dia continuo sendo graduada e penso mais ou menos tudo isso, bem como continuo tentando responder direito essa pergunta. Atualmente, ao invés de listar qualidades, diria que ser graduado é entender que o fato trilhar um Budo exige comprometimento não só para com o Dojo, o Estilo, com o Caminho, com o Mestre, com os demais alunos, mas principalmente dedicação para consigo mesmo. Pois não é possível demonstrar entendimento para os outros ou refletir bons exemplos para terceiros, se você mesmo não compreendeu o que está fazendo ali. Quais são seus objetivos? Por que escolheu treinar uma Arte Marcial? Como você treina no dia a dia? O que você tem levado para sua vida? São essas respostas que constroem o que você vai ser como um graduado, mais que isso, como pessoa. Coisas que você vai descobrindo aos poucos, com o passar do tempo e, sem querer, você apresenta um perfil de graduado e vai ser julgado pelos demais, sem dúvidas. Entretanto, o pior julgamento é o seu próprio, pois é a partir dele que você irá galgar novos passos ou estagnar. 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!